Menu Principal
Início
O que é Nutrição Funcional?
Cursos de Extensão
Curso Pós Graduação
Blog
Currículo
Links
Bibliografias
Nutricionistas Funcionais
Artigos/Matérias
Contato
Procurar
Gestação Saudável
Infertilidade
Esclerose Múltipla e Nutrição
Próstata e Nutrição
Disfunção Erétil
Cálculos renais
Sensibilidade ao Glúten
Distúrbios de Humor
Distúrbios do Sono
Administrator

 
 

Alternative content


Disfunção Erétil e Nutrição PDF Imprimir E-mail
Por Gabriel de Carvalho   

Nutrição Funcional no tratamento da Disfunção Erétil

A falta de desempenho sexual gera grande abalo na autoestima dos homens, podendo ter repercussões psicológicas e consequentemente fisiológica.

É um assunto delicado não só para o sexo masculino, mas para as mulheres que querem de alguma forma ajudar os seus parceiros.

No Brasil, a prevalência de disfunção erétil é de 49%, representando cerca de 25 milhões de pessoas, sendo que 11,3 milhões apresentam grau moderado a grave. A cada ano surgem 1 milhão de novos casos. Em 2025 a previsão é que tenhamos 322 milhões de casos.

Existem dois tipos de disfunção erétil, a orgânica que normalmente acomete pacientes mais velhos ou que apresentam fatores de risco (hipertensão, diabetes, tabagismo e outros), e a psicogênica que ocorre principalmente em pacientes mais jovens, tendo início súbito e geralmente esta relacionada com a ansiedade.

O estresse estimula o sistema simpático e este inibe a ereção por contrair os vasos penianos, o oposto ocorre quando ativamos o sistema parassimpático. Este fato demonstra que fatores psicológicos e neurológicos também estão envolvidos.

A vasodilatação é o foco dos medicamentos para disfunção erétil, porém alguns nutrientes e alimentos fonte destes também agem positivamente para amenizar este distúrbio.

Alimentos e suplementação com L-arginina promovem grande resultado e quando unimos com fontes de Picnogeol, os resultados são ainda mais satisfatórios.

Uma planta, chamada Panax Ginseng, demonstrou em vários estudos  resultados ótimos pelo seu poder antioxidante e efeitos vasodilatadores. O  Tribulus terrestris, outra planta, tem mostrado efeitos afrodisíacos por aumentar a produção dos hormônios envolvidos e desta forma reduz a incomoda disfunção.

É interessante ressaltar, ainda, que o diabetes e a hipertensão são dois dos principais fatores de risco que devem ser controlados para evitar a disfunção erétil, assim como a inflamação e o estresse oxidativo, fatores esses muito influenciados pela alimentação, apontando a nutrição funcional como um fator importante no tratamento. Tratar a hipertensão e o diabetes nutricionalmente e de forma adequada é essencial para o sucesso no tratamento da disfunção erétil!

Juliana Bueno

Nutricionista Pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e Pós-graduanda em Nutrição Esportiva Funcional– CRN2 8860

Para agenda ruma consulta entre em contato em contato pelo telefone 51-3224 4046 ou nos visite na rua Vigário José Inácio, 630/703, Porto Alegre.